Vitamina D: Ação do Flúor/Cloro

Atenção ao excesso de flúor e cloro na dieta, estes podem diminuir a receptividade da vitamina D na glândula tireoide. Nossa água já é fluoretada e clorada, e a relação entre essas substâncias e os níveis de vitamina D são ainda mais alarmantes ao levarmos em conta estudos realizados pela UCLA (Universidade da Califórnia).

Esses estudos demonstraram que os níveis de vitamina D no organismo podem ter relação com uma série distúrbios, tais como doenças endócrinas e, em particular, diabetes dos tipos 1 e 2; doenças renais e síndrome do ovário policístico. Foram aplicados distintos níveis de vitamina D em grupos de roedores, e o que recebeu doses inadequadas de vitamina D não apresentou resposta autoimune à tireoide, como também se observou a presença de Hipertireoidismo, no quadro de Doença de Graves – caracterizada por presença de fadiga ao mínimo esforço; irritabilidade e agressividade; batimento cardíaco desregulado; sensibilidade ao calor; aumento da transpiração e pele quente e úmida, além de sintomas como deslocamento do globo ocular para frente.

Assim, além da importância da vitamina D para manter a homeostase do cálcio e do fósforo, preservando assim a saúde dos ossos, a ciência tem mostrado outras importantes atuações da vitamina D no organismo. Por esses e outros motivos, recomendamos que nossos pacientes deem preferência para a água mineral sempre que possível.

Dra. Patrícia Alves Lara
Especialista em Nutrição Biomolecular
Especialista em Nutracêuticos
Especialista em Oxidologia