Soja: Um aliado da pressão

Descoberto um novo vasodilatador

 

A genisteína, uma substância química da soja com ação semelhante ao hormônio feminino (fitoestrógeno) já discutida em vários estudos científicos por apresentar um potencial benéfico nos sintomas da menopausa, agora demonstra novas propriedades. Segundo pesquisadores da Universidade Estadual da Virgínia nos Estados Unidos, este fitoestrógeno apresentou a propriedade de aumentar a dilatação dos vasos sanguíneos e aumentar a liberação de uma molécula chamada Oxido Nítrico, um potente vasodilatador do organismo. Trabalhos anteriores já confirmaram a ação do hormônio feminino, estrogênio, na dilatação das células vasculares, por aumento da liberação de Oxido Nítrico.

Segundo a pesquisa publicada este mês na revista internacional The Journal of Nutrition com a genisteína, o aumento da produção de Oxido Nítrico também foi observado, entretanto, não se sabe ainda como o fitoestrógeno consegue realizar este aumento. O trabalho mostrou que em ratos suplementados com genisteína a dilatação dos vasos sanguíneos foi estatisticamente significativa, confirmando os resultados de outros estudos em cultura de células de vasos sanguíneos de roedores.

Estima-se que no mundo a hipertensão arterial irá aumentar 60% até 2025. Só no Brasil a previsão de aumento será de 80%. Atualmente existem mais de 17 milhões de hipertensos no país, e o principal problema continua sendo a característica silenciosa da doença, e neste caso, temos que ficar atentos ao histórico familiar de hipertensão.

Estes resultados são importantes, pois a soja é um alimento de fácil acesso para a população e de grande versatilidade na utilização. Seu consumo pode ser feito na forma de farinhas adicionadas às vitaminas e sopas, grãos cozidos em salada ou misturados ao feijão, sucos e leites industrializados, e preparada como prato principal substituindo-se a carne.

Dra. Patrícia Alves Soares e Dr. Lupercio Cançado Farah