Ponto para a Restrição Calórica

Uma pesquisa em andamento no Departamento de Genética da Universidade de Medicina da UCLA (University of California, Los Angeles) mostrou mais uma vez que dietas com restrição calórica podem sim ser benéficas ao organismo.

O trabalho foi realizado com ratos em dois tipos de dietas – normocalórica, e dieta com apenas 25% das necessidades calórias normais. Ambos foram submetidos a uma cirurgia hepática, e vejam só o que aconteceu.

Os ratos em restrição calórica se recuperaram melhor da cirurgia e tiveram menos reações inflamatórias pós-cirúrgicas. Não é fantástico?

Nutrientes

Na pesquisa, o motivo deste resultado foi extensamente explorado – quais os nutrientes devem ser privilegiados na restrição calórica? Antioxidantes fazem a diferença?

Mais um ponto interessante foi a descoberta de que os antioxidantes não fazem tanta diferença, mas os compostos sulfurados sim – compostos que possuem um ou mais átomos de enxofre ligados à cadeia carbônica.

Exemplos deles são aminoácidos, como a cisteína, e alimentos como brócolis, repolho, couve-flor, alho e couve de Bruxelas, que fornecem o enxofre – nutriente que se mostrou mais importante no processo de restrição calórica. Interessante não? A melhor parte é que estes alimentos também fornecem o aminoácido cisteína.

Se você pensar que o repolho e a couve possuem baixíssima caloria, na restrição calórica estes alimentos podem ser consumidos em grandes quantidades! Vale a pena tentar!

Dra. Patrícia Alves Lara
Especialista em Nutrição Biomolecular
Especialista em Nutracêuticos
Especialista em Oxidologia