Índice glicêmico dos alimentos

Gastar mais e consumir menos.

 

Muito tem se falado sobre a utilização de grãos integrais na alimentação. Na verdade hoje podemos encontrar facilmente na prateleira dos supermercados pães, biscoitos, massas e farinhas compostas por grãos integrais, mas ainda estamos constantemente consumindo produtos muito processados, como a farinha branca e seus produtos.

O consumo de carboidratos processados tem levado a alterações importantes no funcionamento do organismo humano e o principal problema é a estimulação excessiva do hormônio insulina. A insulina é um hormônio responsável por levar a glicose para as células. A glicose é encontrada nos carboidratos como pães, massas, batatas e açúcares, mas só é liberada destes alimentos após a digestão. As células humanas necessitam de glicose como um carro necessita de combustível para funcionar e para que este ”combustível” seja colocado de forma efetiva na célula, utiliza-se a insulina.

Toda refeição promove um aumento da liberação da insulina, pois o organismo entende que irá receber combustível, mas sempre que a alimentação é rica em carboidratos processados e açúcares simples como o açúcar de mesa e doces em geral, ela é liberada em maior quantidade.

A insulina é um hormônio de ação anabólica, ou seja, ele participa da formação de tecidos como músculos, tecido adiposo, etc., por esta característica, quando aumentamos a produção de insulina, podemos aumentar a gordura corporal. Todo o excesso de energia ou combustível será transformado em gordura na célula, e não importa se é um excesso de carboidrato ou proteína, pois a insulina também transporta aminoácidos (menor parte das proteínas) para as células.

Alimentos com baixa capacidade de liberar glicose no sangue são chamados de alimentos com baixo índice glicêmico, e por sua vez também são alimentos com baixa capacidade de estimular a insulina. Optar por alimentos com baixo índice glicêmico é um grande passo em direção à redução de gordura corporal, então anote alguns exemplos: Massas integrais, queijos brancos, iogurtes magros, frutas como maçã, ameixa e pêra, bebidas à base de soja e todas as verduras.

Dra. Patrícia Alves Soares e Dr. Lupercio Cançado Farah