Desintoxicação nos dias de hoje

Fadiga, dor de cabeça, falta de memória, pele ressecada, queda de cabelo, espinhas, unhas fracas. Quantos de nós observamos estes sintomas dia após dia e não nos preocupamos pois são sintomas tão comuns, sempre creditados ao estresse, à poluição, a falta de cuidados cosméticos.

Houve um tempo em que os sinais clínicos eram fundamentais para o diagnóstico da saúde humana, quem não se lembra dos especialistas médicos pedirem para colocarmos a língua pra fora para ver nosso estado de saúde. Temos que voltar a este tempo, onde se acreditava que o corpo falava, e ele realmente fala, de forma sutil, com pequenos sinais mas sempre dá o seu recado!

Os sintomas citados anteriormente são indícios de alterações sérias de desorganização do corpo humano, intoxicação pode ser a melhor palavra uma vez que estes sintomas são reflexos do mau funcionamento do fígado, rins, pâncreas e glândulas. Uma simples dor de cabeça pode refletir alterações na capacidade dos rins em eliminar toxinas, e isso pode ocorrer pela simples falta de água. Quantos de nós deixamos de beber os mínimos 2 litros de água por dia, e quem já não melhorou de uma dor de cabeça ao beber alguns copos de água? Isso é mais comum do que pensamos!

Sem água o organismo não consegue realizar suas funções químicas como formar proteínas de defesa, renovar as estruturas celulares, e eliminar os restos dos processos metabólicos como por exemplo a amônia (amônia é formada pelo resultado do metabolismo de proteínas) que deve ser transformada a uréia e posteriormente convertida a urina para ser eliminada. A falta de água dificulta todo este processo e como conseqüência temos dores de cabeça, ressecamento da pele, confusão mental, além de outros sintomas.

Além da falta de água a forma como nos alimentamos tem trazido grandes conseqüências ao nosso organismo, isso vem sendo falado diariamente mas o que não vemos é que cada organismo precisa ser observado individualmente e estas necessidades individuas respeitadas. Isso pode ser exemplificado quando vemos pessoas que se alimentam de muita proteína (carne, leite e ovos) e se sente vigorosos, já outras pessoas se sentem cansadas, com dores de cabeça, com a pele seca e isso é um sinal de que o fígado destes indivíduos não suporta bem o trabalho que as proteínas demandam. Um fígado sobrecarregado podem alterar nossos hormônios causando impotência sexual e até mesmo acelerar o envelhecimento. Sintomas de menopausa e andropausa podem surgir antecipadamente quando o fígado não está saudável.

Mesmo a alimentação mais comum com pães, barras de cereal, sucos de caixinha que são muito comuns atualmente pode causar um desequilíbrio no organismo. O pâncreas é um órgão responsável pela produção de um hormônio chamado insulina. A insulina age como um caminhão de entrega no nosso organismo. Ela entrega os carboidratos e proteínas que consumimos às nossas células e estas utilizam estes nutrientes para organizar e renovar o organismo. Quando consumimos grandes quantidades de carboidratos, através de pães, doces, massas, sucos adoçados e etc., nosso pâncreas trabalha excessivamente e isso faz com que o excesso de insulina produzido causa alteração nos hormônios masculinos e femininos e isso traz como conseqüência a queda de cabelo, surgimento de pelos na face, espinhas, excesso de oleosidade na pele e falta de vigor físico (fadiga, corpo cansado). O excesso de insulina causa também o aumento da gordura corporal que pode provocar o aumento dos sinais de dor. Quem nunca sentiu que o corpo está mais dolorido? Observe o que você está comendo!

Sintomas como azia e má digestão também são sinais de que o corpo não anda bem. Muitas vezes consumimos nutrientes como açúcar e proteínas de forma excessiva e nosso corpo tem que metabolizar este excesso, mas isso tudo gera grandes quantidades de “lixo”, sobras deste metabolismo, e este lixo muitas vezes tem caráter ácido deixando o sangue também mais ácido. Todo excesso de acidez pode ser eliminado através do estômago, mas isso altera o funcionamento normal deste órgão. Quando alterado o estômago pode liberar ácido em momentos errados e não liberar no momento ideal que é durante a alimentação. Como conseqüência podemos ter menor absorção de vitaminas do complexo B e uma delas é a vitamina B12, cuja deficiência causa défcit energético e falta de memória! Até mesmo a respiração pode afetar a produção de ácidos no organismo, pois quanto menos respiramos, mais toxinas nosso corpo pode produzir! O oxigênio é fundamental para a o aproveitamento correto dos nutrientes que consumimos, e sem ele, a produção de substâncias ácidas aumentam e podem causar até mesmo osteoporose.

São muitas as questões a serem observadas quando pensamos em manter o organismo desintoxicado, por isso é importante dar a oportunidade ao corpo de se recuperar dos erros que estamos obrigando ele a cometer, para isso os processos de desintoxicação são recomendados periodicamente.

Quando se fala de desintoxicação vale lembrar que o organismo depende PRINCIPALMENTE de vitaminas e minerais para seu funcionamento (são estes nutrientes que fazem todas as peças da nossa máquina funcionar) e as mono-dietas de desintoxicação podem não atender a esta necessidade. O mais importante na desintoxicação é promover um aporte correto de vitaminas, minerais, enzimas e líquidos de forma equilibrada. Pode-se também usar chás que contém fitoquímicos para ajudar a reorganização do fígado, rins e pâncreas.

As opções são fáceis e interessantes como, por exemplo, um suco verde como o exemplo abaixo:
1 talo de salsão
1 cenoura
1 pepino
1 folha de couve
2 folhas de brócolis
2 folhas de repolho
1 maçã
1 copo de suco de acerola

Utilizar nas opções de almoço saladas com grãos e brotos germinados:

Salada de agrião, alface roxa, espinafre, broto de alfafa, broto de feijão, broto germinado de quinua, manga, abacaxi e cenoura ralada. Como fonte protéica podemos usar os peixes ou soja, amaranto e quinua cozidos. Nos intervalos das refeições o ideal é consumir sucos de frutas variadas e misturas de sementes e castanhas. Entretanto para tudo funcionar melhor é importante que estes alimentos sejam orgânicos!

Dra. Patrícia Alves Soares
Especialista em Nutrição Biomolecular
Especialista em Nutracêuticos
Especialista em Oxidologia