Bebeu Bem? Luteolina!

O Estudo conduzido por pesquisadores chineses no Intituto de Nutrição e Metabolismo no Journal of Nutrition agora em Julho mostrou como o uso de Luteolina encontrada no orégano, tomilho e na alcachofra foi responsável por reduzir a expressão de enzimas TGO e TGP além de Triglicerides em indivíduos em consumo de álcool constante e esteatose alcoolica.

Os resultados foram interessantes pois foi suplementada a Luteolina enquanto os indiviudos testados ainda consumiam álcool. Isso mostra como este flavonoide é potente na sua ação anti-inflamatoria.

O interessante do flavonoide luteolina, é que ele já foi associado a melhora de cognição em pacientes com Alzheimer em humanos e a redução de danos ao DNA em estudo com células isoladas – pesquisas publicadas no American Journal of Clinical Nutrition.

Se pensarmos um pouco estes dados podem ser extrapolados para os atletas que usam suplementos em doses altas, devido à carga de exercício, e requerem um trabalho maior do fígado. Estes mesmos atletas precisam de uma excelente renovação tecidual e a proteção ao DNA se faz necessária.  Sendo o azeite um óleo monoinsaturado, e os óleos são excelentes veículos para os flavonoides, associar o azeite a Luteolina parece uma proposta pré-treino. Azeite Be Light em um carboidrato como a mandioca ou batata doce como pré-treino pode ser um lanche interessante!