Ansiosos envelhecem mais rápido

Um artigo publicado em 11 de julho 2012 na revista PLoS ONE (Public Library of Science One) revela uma associação entre ansiedade crônica e menor comprimento dos telômeros em mulheres. Os telômeros são complexos DNA-proteína que protegem as extremidades dos cromossomos das células. Telômeros encurtam com a divisão celular, isso não só reflete o envelhecimento das células individuais, mas têm sido associados com um aumento do risco de doença cardíaca, stress e outras condições.

A pesquisa incluiu 5.243 mulheres com idades entre 42-69 que participaram do Estudo Nurses’ Health ou outros estudos que obtiveram informações sobre a presença de ansiedade crônica. O comprimento relativo dos telômeros foi medido em DNA extraído de células brancas do sangue.

As mulheres que relataram a maior transtorno de ansiedade eram menos propensas a usar diariamente multivitaminas e mais propensas a terem usado drogas benzodiazepínicas. Ter um nível mais elevado de ansiedade foi ligada com uma redução significativa no comprimento dos telômeros, em comparação com as mulheres que relataram menos ansiedade. A diferença no tempo vivido pelas mulheres mais ansiosas era equivalente a seis anos mais velho do que aqueles que relataram a menor ansiedade.

Comentário da Dra. Patrícia:
Muitas pessoas se perguntam sobre como o estresse pode nos envelhecer mais rápido. Atualmente o estudo dos Telômeros tem mostardo que cada vez mais o hormônio cortisol, que causa o estresse e a ansiedade, deve ser investidado de forma mais profunda. Entender sua ação, verificar a saúde das glândulas que o produzem são hoje uma medida preventiva não só contra o envelhecimento, mas também uma ação para se obter qualidade de vida.
Vale lembrar que além de reduzir a ansiedade com vitaminas e minerais específicos, o menor consumo calórico já foi apontado como um fator que pode manter o tamanho dos telômeros.

Dra. Patrícia Alves Soares
Especialista em Nutrição Biomolecular
Especialista em Nutracêuticos
Especialista em Oxidologia