A importância das cores nos alimentos

Desde os tempos dos nossos avós sabemos que quanto mais colorido o prato melhor, mas não sabíamos exatamente o motivo desta premissa. Atualmente a Ciência vem mostrando cada vez mais a necessidade do organismo em consumir as substancias coloridas dos vegetais. Vamos conhecê-las:

– Alfa-caroteno: Como o beta-caroteno, o alfa-caroteno é um carotenóide antioxidante e um precursor da vitamina A. Fontes: damasco, cenoura, abóbora e batata-doce.

– Antocianinas: São responsáveis pelos pigmentos vermelhos e azuis encontrados em alguns vegetais. São flavonóides que estão sendo pesquisados por seu potencial de suprimir o crescimento de células tumorais, baixarem os níveis de colesterol LDL (colesterol ruim) e prevenir a formação de coágulos no sangue. Fontes: maçã, frutas silvestres como amoras, repolho roxo, alface roxa, radijo, cereja, uva, ameixa e romã.

– Beta-caroteno: Um dos carotenóides mais estudados, o beta-caroteno é um poderoso antioxidante, abundante em frutas e legumes vermelhos, alaranjados e amarelos (bem como em legumes e verduras verde-escuro nos quais a cor laranja é encobertada pela clorofila). É convertido pelo corpo em vitamina A. Fontes: damasco, cenoura, couve-de-bruxelas, vegetais de folha verde-escura, abóbora, espinafre e batata-doce.

– Beta-criptoxantina: é um carotenóide que pode ajudar a prevenir contra o câncer de cólon. Estudos sugerem que ela pode proteger os pulmões por sua ação antioxidante. Fontes: damasco, laranja e tangerina.

– Clorofila: é pigmento verde das folhas e plantas em geral. A clorofila não apenas ajuda a refrescar o hálito, mas também pode ajuda a prevenir danos no DNA das células. Fontes: vegetais de folhas verdes, Kiwi, salsa, ervilha e pimentão.

– Licopeno: carotenóide antioxidante que empresta sua cor vermelha a vários alimentos, principalmente ao tomate. Pode defender as células imunológicas contra danos oxidativos e proteger contra a degeneração macular, doenças cardiovasculares, câncer de próstata e infertilidade masculina. Fontes: morango, tomate, melancia, pimentão vermelho.

– Luteína e Zeaxantina: Encontradas em alimentos amarelos, alaranjados e verdes. São pigmentos da família carotenóide que estão associados à redução de riscos de degeneração macular e cataratas. A luteína está sendo pesquisada por sua possível capacidade de inibir a aterosclerose e prevenir o câncer de pulmão e de cólon. Os vegetais verdes, espinafre e couve são especialmente ricos em luteína. Outras fontes: brócolis, gema de ovo, kiwi, folha de mostarda, laranja, ervilha, alface romana, folhas de nabo e abobrinha.

Dra. Patrícia Alves Soares
Especialista em Nutrição Biomolecular
Especialista em Nutracêuticos
Especialista em Oxidologia